Estou num caso de amor sério…

Eu ainda não decidi se estou num caso de amor sério com clássicos da ficção, ou se estou apaixonada por uma editora. (não, antes que alguém venha me falar bosta, infelizmente meu caso de amor não é patrocinado…)

Meu último livro lido foi Laranja Mecânica, pela Editora Aleph. Daí, que numa outra feira de livros, achei três livros que eu não achava para comprar já faziam mais de três anos:

Willian Gibson. Caso de amor antigo, reativado por uma nova edição.

Achei uma versão piratex há uns anos do Neuromancer, mas não consegui ler. Não sei por que, li uns pedaços e logo o larguei. Depois, procurei por Count Zero e por Monalisa Overdrive, mas não achei também, nem em piratex. Hoje, mais velha (e portanto, mais sábia), estava eu andando por aí e me deparo com essas belezuras. Pode isso? É mais que amor, muito, muito mais. Quem vê pensa que eu tô com dinheiro sobrando, mas não, é só a impulsividade por achar um livro que se queria há muito, somada a um cartão de crédito…

Reconhecimento de Padrões é o último livro lançado pelo Gibson, que segundo quem me vendeu, logo sai a segunda parte. Pelo pouco que andei lendo por aí, me parece que a temática dele nada tem a ver com um Estados Unidos destruído, como em Neuromancer, mas uma coisa totalmente atual, onde a protagonista é uma marqueteira meio que cool hunter. — Aliás, eu tava olhando outro livro da mesma editora, e reza a lenda que isso vai virar profissão, um tal de Cool CEO, um cara que conhece as modinhas internéticas tão bem, que é capaz de ditar “tendências” e estabelecer uma marca no mercado.

Ou seja, um completo idiota.

Mas voltando da digressão imbecil, taí minhas novas aquisições. O “Neuromancer” já comecei, então no máximo em uma semana, sai alguma coisa sobre ele por aqui.

— Nota: esse “Junky”escondidinho no cantinho, é a nova aquisição Beat, traduzido por um cara que eu gosto mundo, que até já comentei dele por aqui. Reinaldo Moraes, autor de Pornopopéia. Se trata de uma história (verídica, me parece), um outro caso de Amor:  Burroughs pela morfina. Mas isso fica para um post próximo.