Garota, não se encaixe

Garota, não se encaixe. Permita-se experimentar coisas novas, mas não as faça por que pediram. Permita-se gostar de novas coisas e não se acanhe quando te contarem que essa coisa “não é coisa para meninas”. Não fuja de um gosto por que tem gente detestando e não se aproxime de um hobby que não tem nada com você.

Menina, não se encaixe. Vai ter gente para te dizer o que fazer e como se vestir. As revistas e novelas estão aí para isso. A moda está aí para ditar (e não sugerir) “tendências”. Você é dona do seu gosto e da sua vida, mas se você gostar do que está na moda, sinta-se livre para usar, mesmo quando te disserem que quem segue moda segue é “fútil”. O conceito de futilidade diminui categoricamente os gostos femininos, ignora que gosto não define caráter. Equipara a pessoa a seu gosto, diminuindo a ambos.

Se não gosta da estrada que está, comece pavimentando outra.

Vai ter gente que prefere te dar coisas. Receber sugestões não é problema, só não se esqueça que você pode não gostar do presente. Mesmo que isso vá ofender ao remetente, você não é obrigada a nada. Seus gostos, seus livros, suas músicas. Não se dobre. Não se submeta para agradar.

Por que um dia, qualquer deslize que você cometer sobre a imagem que montaram em cima da garota perfeita que você supostamente era (e não é mais…) já vai ser suficiente para repúdio, para a cólera. Você não é massa de modelar, não é fluida. Você é um ser completo, sem restrições e sem limites. Você é do tamanho que quiser. Não deixe que te diminuam. Quando alguém limita seu gosto, esse (ou essa) não lhe quer bem, te quer moldada. Se o bem é o molde, então prefira andar só.

 

E os dois estão ok!

E não pense que por que lhe pagam alguma coisa, você tem o dever de algo. Você só deve aquilo que você compra. E não mais. Não acredite quando te obrigarem a fazer seja a coisa que for, quando lhe induzirem pelo dinheiro.

O bem tem de ser maior que isso, se lhe querem bem, lhe querem por inteiro e não só a parte que interessa.

Você não tem que completar ninguém. Não tem que agradar, não tem que ser aprovada. Você não é feita para os outros, não está em teste, já nasceu pronta. Você é, como eu disse, suficiente por si.

Tem força, tem garras e tem todos os artífices que precisa para buscar qualquer coisa no mundo. Não deixe que pensem o contrário. Não se sinta obrigada a se esconder por que colocaram um preço nas suas saias, nos seus decotes, no seu corpo. Não se esconda “para a sua segurança”. Sê destemida!

… E se alguém quiser buscar a própria completude ao seu lado, que seja bem vinda. Mas que saiba os limites.