Sobre Métodos de Criação de Romances

Com amor, o Teclado

Eu fico vendo pessoas no Facebook – Estudantes, sua maioria – que fazem questão de mostrar a quantas andam seus romances. Que mais um capítulo fora concluído, mais um personagem está morto. Seus beta readers, quantas palavras eu devo escrever para que um agente literário leia meus manuscritos, como eu devo me portar Online, se um dia eu pretendo virar um escritor.

E eu fico pensando. Porra, os processos criativos são sempre os mesmos? As pessoas em seus facebooks ficam falando de quantas partes elas já conseguiram escrever, seus futuros planos para futuros romances, mas como elas conseguem isso? Como elas simplesmente… Planejam? Entendo que escrever é disciplina e que se você esperar a inspiração não se conclui nada, mas que diabos acontece com certas pessoas que as histórias vêm fácil? Como se fosse fácil escrever. Como se eu não sentisse uma quase dor, toda vez que me boto na frente do teclado. É sério. Eu respiro fundo e mando bala, páginas e páginas e páginas a fio. Mas não é fácil. E eu, de novo, fico vendo esses (com muitas aspas) novos escritores dando lição, compartilhando sentimento, reblogando coisinhas bonitinhas com fundos duros.

Isso me irrita. Não penso que os antigos tenham sorrido e achado bonito seus trabalhos enquanto o faziam. Eu entendo blogs que falem de processos de escrita, que falem de livros e que façam como eu, uma mistura de tudo que não dá em nada, mas não entendo esse sorriso bobo implícito nessas postagens do quanto já escreveram de seus próprios negócios.

Parece que eles não estão escrevendo. Parece mais… marketing.

  • Giovane Direnzi

    Acho que esses novos escritores são muito influenciados por best-sellers. Querem que seu próximo livro seja O próximo livro e naturalmente querem divulga-lo (mesmo que ainda nem pronto ele esteja), e, tendo em mente que vivemos no Brasil, esse marketing todo acaba sendo até inteligente, mesmo que exagerado. Sei lá, meu ponto de vista.

    • Você tem razão, são mesmo influenciados por best-sellers. Mas será que é inteligente, isso? Por que colocam em cima de si mesmos uma pressão de terminar, uma ânsia por ir além que eu não sei se fica bom na escrita. Enfim, boa reflexão!